Dicas Para Blogueiras


Aquisição De Tráfego E Conversões Pra Seu Site


Um retorno de gala. Desse modo pode ser resumida a volta de Cláudio Henrique "Hannibal" ao Ultimate. Sem lutar profissionalmente desde novembro de 2014, o brasileiro precisou passar imensas lesões no decorrer do período e superar com indecisões a respeito do seu futuro dentro do MMA. O faixa-preta de Jiu-Jitsu, não obstante, passou por cima de todas os problemas e no último dia vinte e sete de maio, pelo UFC Liverpool, voltou à organização de forma triunfal, vencendo Nordine Taleb ainda no primeiro round ao pôr um mata-leão. Até de imediato, estou vivendo esse momento, um estado enorme de alegria.


Passou um filme pela cabeça (depois da disputa), eu fiz 4 cirurgias no pé de uma vez só, fui pra 105kg (batalha na ordem meio-médio, até 77kg) e foram diversas lesões ao longo nesse tempo. Eu voltava a treinar e me machucava. Entretanto estou muito orgulhoso do que eu fiz, minha primeira finalização no UFC, representei o Jiu-Jitsu e nesta ocasião vou me dedicar ainda mais para sentir mais vezes este gostinho no superior evento do mundo - disse o faixa-preta.

  1. Hellobar (pago)
  2. 11º. Tags do canal
  3. Como escrever uma fantástico publicação de site
  4. 19/jan/2018 — O utilizador Red123 é eleito administrador
  5. Que assuntos foram assediados nos artigos concorrentes
  6. Miracle Mile no Planet Hollywood Hotel
  7. Qual celebridade você gostaria de ser

Foram 4 anos sem guerrear. Menor quantidade de pessoas me incentivaram. A maioria me falava pra me aposentar, gente da minha família, amigos… Acho que o meu superior incentivador fui eu mesmo, visto que eu sempre acreditei em mim e no meu sonho. Eu a todo o momento comprei a revista TATAME, acompanhava a galera da BTT e da Carlson Gracie lutando no Pride e no UFC e eu queria ser igual aos caras. Mesmo sendo de uma cidade do interior de Minas que não tinha tradição no esporte, eu tinha esse sonho.


A minha vontade de vencer e me exceder a cada dia vem desde moça. Fiquei quatro anos distanciado, meu organismo não estava lá, todavia meu espírito sempre esteve dentro daquele octógono. E a minha performance foi aquela que todo mundo viu. Muita gente explicando que parecia que eu nem sequer tinha ficado tal tempo longe do octógono.


Batalha é o ar que eu respiro, é a minha religião, é no que eu imagino 24 horas por dia. Eu tinha certeza que o repercussão seria aquele. Meu adversário tinha seis vitórias no UFC, um cara muito duro, e guerrear com ele só me valorizou ainda mais. Esperava um retorno ao UFC tão 'genial' desse modo?


O regresso saiu como eu visualizei. Eu faço um serviço de mental coach e, por esse trabalho, fazemos visualizações. Desta maneira, desde que eu assinei o contrato, eu agora visualizava isto. Eu a toda a hora aspiro findar as minhas brigas no primeiro round. Eu vou para finalizar. Infelizmente, nas primeiras batalhas do UFC, eu não acabei, dado que sentia que tinha o peso de estar lutando no superior evento do mundo.


Porém, para essa briga, eu fui com a cabeça tranquila, queria desfrutar cada momento ali no octógono, e acredito que isto tenha feito toda a diferença. Quero agradecer muito ao coach Betão. Fez toda a diferença entrar com a desejo de estar ali. Eu amei todos os momentos, desde o corte de peso, os treinos, a minha chegada no hotel, foi tudo prazeroso.


Tive bem como o apoio do meu head coach, o Alex Chadud, ele veio pra Londres e ficou duas semanas nesse lugar comigo. Ele tem uma energia ótimo! Não foi novidade o efeito, eu visualizava isto. Poderá parecer arrogância, porém não é. É confiança em meu serviço. A sensação foi de realização, visto que eu esperei por 4 anos.


Até nesta hora, estou vivendo esse instante, um estado enorme de satisfação. Passou um video pela cabeça, eu fiz quatro cirurgias no pé de uma vez só, fui para 105kg e foram muitas lesões no decorrer deste tempo. Eu voltava a treinar e me machucava. Mas estou muito orgulhoso do que eu fiz, minha primeira finalização no UFC, representei o Jiu-Jitsu e nesta hora vou me empregar ainda mais para notar mais vezes esse gostinho no maior evento do universo. Eu fui doar a mão para ele no conclusão da luta pra cumprimentá-lo e ele disse: 'não me toca, não encosta em mim'.


Eu achei exótico aquilo. E depois, no hotel, eu cumprimentei o treinador dele e tentei cumprimentá-lo também. Ele passou direto por mim, mas depois voltou e começou a me agredir verbalmente, inclusive com xingamentos homofóbicos, alegou que se lutasse comigo 10 vezes, me ganharia as 10 vezes, chamou-me para a disputa e me acertou um chute.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *